PT EN ES
Biovet

Imprensa

Segunda-feira, 15 de Junho de 2020 - 11:02 - Atualizado em 16/06/2020 10:02

Prevenção da Doença de Gumboro

Um cliclo completo de proteção.

A Doença de Gumboro é uma enfermidade altamente contagiosa que afeta aves jovens, tornando-as imunocomprometidas e suscetíveis a intercorrências sanitárias secundárias, bem como interfere no desempenho e resultado de campo. A doença é causada por um RNA virus, da família Birnaviridae, que é extremamente resistente às condições ambientais, e que está presente em toda a produção avícola, tornando impossível extinguí-lo da produção avícola.

A realização de um plano de controle e prevenção da Doença de Gumboro, dentro de um processo produtivo de Frangos de Corte, precisa levar em consideração a Biosseguridade, que envolve todas as medidas necessárias para reduzir a disseminação e persistência do vírus na unidade de produção, ao exemplo do vazio sanitário, o controle do fluxo de pessoas, a limpeza e desinfecção adequadas, o tratamento de cama, a desinfecção de veículos e equipamentos e o controle de pragas.

Aliado a isso, as ferramentas de imunização disponíveis na avicultura moderna devem ser usadas de forma estratégica, levando em consideração as realidades e desafios regionais, de maneira a tornar as aves imunocompetentes aos desafios de campo. Na tabela abaixo, podemos verificar os tipos de vacinas disponíveis atualmente, e suas características:

Vaxxon, UN AVIC
TabelaUN AVIC

A Vaxxon IBD imc, vacina para frangos de corte com a tecnologica imunocomplexo do Biovet Vaxxinova, faz parte de uma estratégia de controle da Doença de Gumboro, inserida em um ciclo completo de proteção:

VAxxon, dIvulgação
CiclodIvulgação
Imunidade em Matrizes
O objetivo de imunizar as matrizes de aves de corte é garantir uma proteção adequada para a galinha contra os desafios de campo, bem como, ter uma imunidade humoral muito bem estabelecida. 

Boa parte dos Acs (IgG) circulantes na corrente sanguínea da galinha, são repassados para o ovo, durante a sua formação no oviduto. No caso da Doença de Gumboro, em média, 73,6% do título de IgG encontrado na galinha, será repassado para sua progênie (Gharaibeh, S. et al, 2008). Quanto mais altos forem os títulos de Acs das galinhas, mais altos e duradouros serão os títulos presentes nos pintinhos, e por consequência, maior a proteção do pintinho contra os desafios de campo ao que ele será submetido nos primeiros dias de vida.

Vacinação no Incubatório
A aplicação da vacina no incubatório, promove uma única e efetiva intervenção na vida da ave, tirando a necessidade de o produtor no campo realizar esse manejo. A vacina imunocomplexo pode ser aplicada pelas vias in ovo (próximo aos 18,5 dias de desenvolvimento embrionário) ou subcutânea (logo após o nascimento), fazendo com que todas as aves recebam, individualmente, a dose correta preconizada. Podemos caracterizar esta, uma vacinação massal (em larga escala) com um efeito de imunização individual.

A tecnologia imunocomplexo disponibilizada na Vaxxon IBD imc protege o vírus vacinal dos Acs maternos circulantes nos pintinhos. Isso permite uma liberação gradual, em que o vírus vacinal vai colonizando a Bursa de Fabrício pouco a pouco, desde a data da vacinação. De maneira ativa, o vírus vacinal promove uma infecção capaz de ativar a produção de Acs, mitigando a janela de vulnerabilidade que se tem entre a queda de Acs maternos e a produção de Acs vacinais de frangos jovens (imunidade ativa). Essa condição é individual nas aves, tendo relação direta com o nível de Acs que cada uma recebeu de sua progenitora.

A proteção com Acs maternais na fase inicial da vida das aves e posterior imunização com a vacina ocorre de maneira sincronizada, sem que uma interfira com a outra. É possível modular, de forma proposital, o povoamento da Bursa, de maneira não danosa ao pintinho.

Imunogenicidade da cepa vacinal
A W2512 é uma cepa Intermediária Plus, largamente utilizada na indústria avícola, que possui grande capacidade imunogênica, garantindo proteção frente as diferentes cepas de campo de Gumboro, sejam elas clássicas (cvIBDVs), virulentas (vvIBDVs) ou variantes (avIBDVs). O imunocomplexo formado a partir desta cepa, possui uma capacidade de colonizar as células dendríticas foliculares e macrófagos de maneira muito eficaz, que por sua vez, permancem estocados nos tecidos linfóides. Por outro lado, a cepa W2512 também foi amplamente testada quanto a sua inocuidade.

Proteção do Ambiente
A cepa vacinal da Vaxxon IBD imc possui a capacidade de colonizar as células de replicação do vírus de Gumboro na Bursa. Uma vez ocorrida a colonização nas células alvo, não há mais possibilidade de qualquer vírus circulante do campo se ligar e promover uma infecção. Ao mesmo tempo, a cepa vacinal consegue se replicar, promovendo a disseminação da mesma no ambiente. A vacinação sucessiva dos lotes, promove, com o passar do tempo, o efeito chamado de “esfriamento do campo”, em que o vírus vacinal acaba tomando o espaço do vírus de campo.

Habilidade com Resultados Zootécnicos
O frango de corte possui uma alta capacidade de transformar ração em carne, resultado dos avanços tecnológicos nas áreas de genética, nutrição e manejo. O que se espera com a imunização adequada das aves, é que elas possam demonstrar da melhor maneira possível toda a sua capacidade de performance, mensuráveis através dos índices de desempenho, conversão alimentar, peso ao abate, bem como as condenações em abatedouro, resultado de intercorrências sanitárias à campo. 

A Vaxxon IBD imc possui como objetivo final trazer maior rentabilidade ao setor produtivo, prevenindo os efeitos que o vírus de Gumboro pode causar num sistema de produção.

 

 

Unidade de Negócios Avicultura
Deixe seu Recado